O Turquelense 1954 - 1972

Uma primeira edição de O Turquelense , com um editorial simples e despojado, “O nosso boletim”, apresentou o novo projeto à população de Turquel. 

Uma serie de publicações mensais regulares com apenas algumas interrupções pontuais, que durará 19 anos. A edição Nº01 seria publicada em Setembro de 1954 e a Nº182 a ultima edição, sairia em Abril de 1972.

A Coleção (em atualização)

KPIs/indicadores de execução da iniciativa

Nº total da coleção (jornais editados) = 179

Jornais recuperados = 175

Por recuperar: Nº17 (JAN 1956); Nº25,26 e 27 (OUT, NOV, DEZ 1956);

Numero de edições recuperadas
98%
Numero de edições digitalizadas e publicadas online
15.3%

Apresentação

O jornal, ou O Boletim, como se intitulava “conheceu” 6 sacerdotes à frente da sua direção: P. Luís Mau­rício seu fundador em 1954; P. José Carlos, P. Guilherme Simões e P. António Frango até 1971; P. Tiago até 1972, párocos da freguesia de Turquel, que acumularam também a responsabilidade editorial da publicação. Muitos dos textos, artigos de carácter local, foram por eles escritos e os mais generalistas, transcritos de inumeras publicações nacionais e internacionais da época.

Dezoito anos de vida da comunidade turquelense observada pelo retrovisor da história – O boletim paroquial de Turquel – cuja coleção integral deverá ficar disponível ao ritmo do auxilio, que esta iniciativa  receba da nossa comunidade. 

Com o empenho de todos, na procura dos exemplares perdidos, fazendo cada um de nós a sua própria investigação, ou passando a mensagem divulgando esta iniciativa entre familiares, amigos vizinhos, até que se consiga reunir toda a coleção, poderemos alcançar o objectivo digitalizar, guardar e disponibilizar online toda a coleção 179 exemplares, até ao final de 2021.

A história perdida de Turquel revisitada

Conhecer a história de Turquel do periodo 1954 – 1972, as pessoas, a organização social, a matriz cultural, as aspirações, a vida comunitária comum. Revisitar as raízes e restabelecer a memória turquelense do caminho percorrido, através da leitura dos registos mensais de acontecimentos de um tempo há muito vivido,  numa comunidade católica rural do concelho de Alcobaça.

Anos 50, 60 e uma pincelada dos anos 70 do século XX, temas como:

A  consolidação da Sociedade Filarmónica – A fanfarra – escola de música e de vida.

A alfabetização e a construção das escolas primárias dos diferentes lugares: Louções, Lagoa, Moita do Poço, Carvalhal, Feitosa, outras

A eletrificação ou como se chamava na época – a eletricidade – as primeiras grandes instituições, o Centro Social e Paroquial, a “Casa do Rapaz” iniciativa  que inspiraria os grandes movimentos associativos turquelenses da década de 60, a prática desportiva popular, novidade à época, o futebol, o Hoquei e o associativismo recreativo.

As figuras históricas, os líderes e os turquelenses comuns, anónimos, que durante esse periodo  tanto deram para a mudança, o progresso e o desenvolvimento da sua comunidade, à bolina dos ventos da história.

A guerra colonial e os jovens turquelense chamados a esse esforço do império em múltiplos teatros dos confrontos, India,  África.

A igreja católica através dos seus párocos, turquelenses adotivos e o papel ativo que tiveram na mobilização comunitária.
Os registos cronológicos dos batismos, casamentos, óbitos, e muitos outros temas a descobrir em cada edição mensal.

Metodologia

À medida que vão chegando os exemplares originais à equipa Adepart: projeto Memórias de Turquel 2020 – 2022 que tem como objetivo a identificação e preservação urgente do património material e imaterial turquelense ainda recuperável, todos os exemplares são catalogados, tratados digitalmente, guardados e divulgados nesta página web (página provisória). Posteriormente serão depositados em endereço web final definitivo e guardados em servidor seguro, repositório final de todo o património imaterial de Turquel.

Todos os exemplares originais impressos cedidos temporáriamente, após digitalização e arquivo, serão de imediato devolvidos aos seus proprietários.

Os exemplares doados pelos seus atuais titulares à comunidade turquelense, ficarão depositados nas instalações do projeto, no Casal da Lagoa (antiga escola) onde podem ser publicamente consultados na futura sala de arquivo histórico – biblioteca de documentos antigos – de Turquel

Todo o património digital ficará à guarda da ADEPART, sendo esta responsável pela sua gestão, dinamização e partilha pública. 

A actividade da ADEPART é realizada por voluntários a titulo gracioso, dentro de um espírito de missão e serviço público.

Adepart, 12/04/2021

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp